Bom dia a todos!

Desde o momento que fui convidado a ser candidato ao governo de Minas, até hoje, muitas coisas aconteceram em nossas vidas. Me lembro das primeiras viagens, após aceitar o convite, quando íamos de cidade em cidade, para me apresentar; para ouvir as pessoas; para escutar e dialogar.

Tudo o que percorremos até aqui tem muito haver com o que sempre fiz em minha vida, na minha empresa e na minha família. Nunca fui de ficar fechado em escritório. Meu modelo de gestão sempre foi próximo às pessoas, aos colaboradores e clientes. Por que quem não escuta, não toma as decisões corretas.

E assim foi feita a nossa campanha. Humildemente, em todo o Estado, dialogando, conhecendo as realidades, ouvindo as preocupações e as demandas dos mineiros. Me lembro de algumas vezes em que, mesmo com o compromisso marcado, hora e local confirmados, por algum motivo as portas se fecharam. Me lembro também de diversas vezes, quando chegava em uma nova cidade, ser recebido por somente duas ou três pessoas.

Tenho certeza que muitos teriam desistido no meio deste caminho, tamanha eram as dificuldades. Mas como disse, sempre fiz na minha vida pessoal, e foi assim que cumpri minha agenda de candidato. E se alguns esmoreciam diante das dificuldades, eu encontrei naquelas duas ou três pessoas que nos esperavam, a mesma indignação que me fez aceitar o convite de concorrer. E via em seus olhos, a mesma esperança de mudança que eu tinha, e que me davam ainda mais ânimo para continuar e superar as dificuldades. 

Foi assim que em questão de meses passamos de alguns poucos entusiastas, para milhões de pessoas que acreditavam que a política e a gestão pública em nosso Estado podem ser feitas de outra forma.

Fizemos uma campanha limpa, enxuta e eficiente para alcançar o resultado que os mineiros decidiram livre e democraticamente. Este voto de mudança representa a oportunidade que temos de fazer um governo diferente, em especial quanto a postura diante do uso dos recursos públicos. 

Os desafios, contudo, serão enormes. E, nesse momento, podemos percorrer dois caminhos. Um é: continuar reclamando das gestões passadas e talvez perder mais quatro anos. 

O outro é: enfrentar os problemas de frente e buscar as soluções necessárias para resolvê-los. E aqui, perante todos, reafirmo que este governo se guiará pela opção de resolver. Por que é este o desejo dos mineiros.

Precisaremos fazer ajustes, pois a conta da irresponsabilidade chegou. Encontramos um Estado falido. E agora, teremos que pagar a conta do passado, para que possamos oferecer um futuro melhor. Mas onde existem dificuldades, também existem oportunidades. Muitas melhorias podem ser feitas, com cortes de despesas e ampliação da eficiência. 

Iremos adotar os critérios mais conservadores possíveis. Na dúvida vamos provisionar, pois diante da incerteza, melhor ter números confortáveis a números que nunca se realizam. Teremos pé no chão. Mas faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para Minas funcionar com o foco nas pessoas.

Vamos tomar as medidas necessárias para implementar uma nova forma de gestão e uma nova maneira de exercer a política em nosso Estado. E isto começa no modo com que as pessoas que farão parte deste governo estão sendo escolhidas. 

Todos os nossos secretários nomeados são pessoas com experiência e bagagem técnica comprovada na função para qual estão designados. Um time de primeira que vai assumir com liberdade para executar as medidas necessárias para alcançarmos os objetivos. No que aproveito para agradecê-los por acreditar neste projeto e terem aceito o desafio de fazer parte desta nova história que iremos, juntos, escrever em Minas Gerais.

Chegamos até aqui amparados pela escolha de uma imensa maioria, sem conchavos ou negociações espúrias, e é assim que iremos avançar na direção correta, com os valores da ética, da honestidade e da eficiência.

Tenho certeza que a Assembleia Legislativa e os deputados irão nos apoiar nas grandes reformas que se fazem necessárias. Pois, como já disse, a conta chegou. Ou tomamos o remédio amargo ou a dose desse remédio terá que aumentar com o tempo. É preciso fazer algo que nunca foi feito em nosso Estado. Nesse interim podemos desagradas alguns, mas sempre em benefício da maioria dos 22 milhões de mineiros. 

Teremos que ter paciência para abrir mão de partes  no presente, afim de garantir um futuro diferente, afim de termos dias melhores para todos os mineiros, e de forma que o Estado recupere sua capacidade de investir.

Neste momento não se trata de uma discussão sobre opção ideológica ou visão econômica. É questão de sobrevivência. O que iremos fazer agora já deveria ter sido feito anos atrás, talvez com medidas mais fáceis de serem executadas. Mas não o fizeram, e também por isso, é que os mineiros nos colocaram aqui. 

Tomaremos ações e teremos sacrifícios. Esperar é agravar. Mas o exemplo começará por esta nova gestão. A começar pela austeridade desta cerimônia. Aproveito para agradecer ao café Três Corações, aos Sucos Tial e a Forno de Minas, empresas mineiras que doaram o pão de queijo, o café e o suco, exemplificando assim a economia aos cofres públicos desde o primeiro ato deste governo.

Daremos o exemplo, com transparência e retidão, pois é isto que o mineiro espera de nós. Somos servidores públicos, estamos aqui para servir quem paga impostos e não para criar e usufruir de privilégios. Em nosso governo isso vai acabar. Vamos enxugar a máquina, com a redução de secretarias, corte de cargos comissionados e eliminação de mordomias. Não resta outra alternativa que não seja as medidas para reduzir despesas, tanto em pessoal quanto em contratos. 

Vamos ampliar receitas, mas sem aumentar impostos. Faremos por meio do incentivo às empresas, aos investimentos e a quem quer trabalhar. Aproveitando as boas práticas da gestão privada e usando novas ferramentas de administração pública, vamos simplificar processos e fazer deste Estado um amigo de quem trabalha, empreende e produz. Vamos dinamizar a economia, eliminando os entraves que afetam e inibem o setor produtivo. Temos que ser duros é com bandido, com quem atrapalha a sociedade. E não com quem gera desenvolvimento. 

Desataremos os nós das dificuldades do Estado para quem quer produzir e trabalhar em Minas. Garantindo o livre mercado e liberdade para empreender. Por isso, geradores de empregos serão muito bem vindos em Minas Gerais.  É nosso compromisso fazer esta mudança de valor para Minas voltar a se viabilizar. Para tanto, contamos com o legislativo, o judiciário, o ministério público, a imprensa, os servidores públicos, federações e entidades representativas de classes e da sociedade mineira, para estar ao nosso lado, ao lado dos mineiros, em um grande "Pacto por Minas". Para que tenhamos de volta o nosso orgulho de ser mineiro.

Nossa responsabilidade é enorme. Não somente pelo expressivo resultado das urnas, mas também por que não podemos repetir os erros do passado, nem estar desatentos na rota a ser seguida. Desafiando as fórmulas tradicionais, fomos vitoriosos até aqui. E tenho certeza que, ao final deste mandato teremos uma casa arrumada, um Estado com a economia fortalecida, com o aumento do número de empresas e, conseqüentemente, o aumento expressivo das vagas de empregos e de qualidade de vida. 

Também quero deixar como legado uma dívida com a União que esteja em um patamar aceitável, que os repasses para as prefeituras estejam regularizados, que o funcionalismo estadual esteja trabalhando satisfeito por receber seus vencimentos em dia, e que o Estado funcione com serviços públicos de maior qualidade. 

Espero, e acredito, que o Brasil, olhando para Minas, veja que é possível fazer uma gestão pública diferente, eficiente e comprometida com as pessoas e não com os políticos. O Estado, a pretexto de nos proteger, continuamente nos exige mais do que gostaríamos de dar, e nos entrega menos do que esperamos receber. É meu compromisso mudar esta realidade.

Não vai haver justificativas. Iremos arregaçar as mangas e trabalhar para fazer tudo o que tiver ao nosso alcance a partir desse momento. Garanto que não iremos decepcionar dentro do objetivo de termos novamente um estado viável, ao lado dos mineiros, para que tenhamos de volta a nossa esperança e o nosso orgulho.

A oportunidade de construirmos esta nova história está colocada, e, contando com o apoio de todos vocês, caminharemos unidos, com fé e dedicação. Faremos um governo eficiente para ter uma Minas Gerais diferente. Esta é a meta desta nova gestão.

Muito obrigado e feliz ano do Novo!

 

Crédito Gil Leonardi / Impressa MG

FONTE: http://www.agenciaminas.mg.gov.br/governador/pronunciamento/pronunciamento-do-governador-romeu-zema-em-ato-que-marcou-o-inicio-da-gestao-2019-2022